O bom desenvolvimento de um país

Da Redação | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

 

No pós-guerra do século XX, a partir dos anos 50, o mundo experimentou um desenvolvimento nunca antes visto. No entanto, tratou-se, segundo o teórico Ignacy Sachs, de um “mau desenvolvimento”, em que a geração de riqueza seguiu acompanhada de péssima distribuição de renda entre as nações. Internamente, o mesmo ocorreu com as populações desses países. Crescer economicamente era determinante para que uma nação se tornasse, de fato, desenvolvida, ainda que sob a disparidade interna social e econômica entre regiões e/ou grupos. Crescimento e desenvolvimento, embora conceitos teoricamente distintos, foram sinônimos durante um certo tempo.

 

No século XXI, a teoria e a prática demonstraram que o desenvolvimento deveria englobar diferentes paradigmas além do econômico, perpassando questões tecnológicas, de saúde pública, de meio ambiente, de acesso à educação e distribuição de renda, entre outros, extrapolando demarcações regionais e criando novas. O que cabe ou não ao Estado nesse processo e de que forma ele deve intervir em cada um dos setores que alicerçam o desenvolvimento neste novo milênio são discussão necessária, entendendo-se cada passo que altera cada um desses alicerces e os movimentos histórico-sociais presentes nessas mudanças.

 

Adaptado do texto “Desenvolvimento, para além da economia”

Revista Sociologia Ciência & Vida Ed. 68