O espaço da casa e o da rua

Por Maria Clara Ramos Nery* | Foto: Wikimedia/Isaac Ribeiro

O pensamento sociológico e político contemporâneo, para analisar as manifestações populares presentes nas ruas das grandes metrópoles, não pode se abster da análise das inconsistências políticas e econômicas vigentes, as quais originam inseguranças e inquietações, como constituintes do contexto sócio-histórico modelador das subjetividades.

 

O que vivenciamos na atualidade é a presença de uma economia de mercado de caráter predador, que faz com que os direitos sociais sejam secundarizados, diante das necessidades do mercado financeiro internacional. Esse processo gera o binômio economia-violência. Esse binômio contemporâneo é matriz estruturante do que Bauman (2012) denomina de “situações de interregno”, que significa: o desaparecimento das fontes de autoridade e, ainda, que a antiga maneira de agir, principalmente política, não funciona mais e novas maneiras de agir ainda não foram inventadas.

 

O que difere da simples consideração da ausência de paradigmas, mas sim o “vazio” que se instaura no divórcio entre política e poder. Esse “vazio” existente está no fato de não sabermos quem faz a transformação e qual a transformação a ser feita. Isso faz com que no espaço da casa como forma de fazer frente à sensação de impotência o  sujeito contemporâneo, pelas redes digitais, busque organizar-se, para no espaço da rua lutar contra o vazio internalizado agregando-se coletivamente no espaço da rua sem qualquer previsibilidade organizacional da ação coletiva a ser tomada.

 

O improviso se constitui na forma de organização dos indivíduos e também do aparato estatal através de suas instâncias repressivas. Nesse sentido, o pensamento sociológico e político deve se instrumentalizar para a  construção de um novo olhar analíticodiante das ações coletivas contemporâneas, que se pautam pelo repentino, onde não podemos ter perspectivas claras das suas consequências. Este é o desafio que a realidade impõe à teoria, pela relação de interdependência existente entre elas.

 

*Doutora em Ciências Sociais pela Unisinos-RS. Professora adjunta com doutorado da Uergs. E-mail: maclarany@brturbo.com.br